Seguidores

30 de abr de 2008

Como a tecnologia pode ajudar no combate a Dengue

Pode-se imaginar que o controle da dengue depende de campanhas de conscientização, fiscais nas ruas eliminando possíveis focos do Aedes aegypti, carros borrifando inseticida e outros métodos pouco complexos. Mas a tecnologia pode ser uma grande aliada no combate à doença. O geoprocessamento, também conhecido como SIG (Sistema de Informação Geográfica) ou GIS (do inglês Geographic Information System), facilita a identificação de locais com maior incidência da dengue - ou de qualquer outra doença -, permitindo que o combate seja focado nesses lugares.

A grande maioria das prefeituras, porém, ainda não utiliza a tecnologia.

E, das que utilizam, muitas a adquiriram apenas para processar informações relativas a loteamentos, para fins de otimizar a cobrança do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano). Mas alguns municípios estão começando a abrir os olhos para os benefícios que essa tecnologia pode trazer para a saúde dos cidadãos. Para o combate a doenças, o equipamento pode ser praticamente o mesmo utilizado nos levantamentos para o IPTU. Em soluções mais simples, é preciso apenas um software instalado em um computador e vários palmtops, que são utilizados pelo pessoal que vai às ruas. No software, são inseridos mapas das ruas e fotos aéreas ou de satélite. E quem vai às ruas com os palmtops vai marcando os locais onde encontra, por exemplo, focos do mosquito da dengue. “Quando o fiscal chega na Prefeitura, conecta o palm ao computador e os dados são descarregados”, explica a analista de sistemas Paula Talmelli, da empresa Imagem, que provê soluções de SIG para governos municipais e estaduais.

“Muitas vezes as Prefeituras não têm equipes muito grandes. Assim, agiliza porque não precisa passar dados do papel para o computador.”

Depois de centralizados os dados, o trabalho fica simples. “O software identifica os pontos em que há mais focos. Com isso, o governo pode verificar onde há falhas e determinar estratégias de combate e campanhas de prevenção nesses locais”, completa. A Prefeitura de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo (a cerca de 440 quilômetros a noroeste da capital) utiliza o geoprocessamento na área de saúde desde 2003. “Para o controle da dengue, as informações são atualizadas diariamente e utilizados os dados para as ações de controle mecânico

e químicos nos casos suspeitos e positivos da doença”, explica a bióloga Amena Alcântara Ferraz, coordenadora do Setor de Controle do Aedes da cidade paulista.

O objetivo do município, segundo Amena, é agilizar a análise e monitoramento das ações, “a fim de melhorar a qualidade do trabalho em campo e auxiliar as tomadas de decisão. Este é um ponto forte no trabalho em nossa cidade”.

Para trabalhar diretamente no geoprocessamento, São José do Rio Preto precisou contratar apenas três pessoas.

De acordo com Amena, o sistema ainda cobre todas as doenças de notificação compulsória, mortalidade infantil, violência, localização de poços artesianos com coleta de água e outros fatores.

fonte : Paranáonline



Postar um comentário