Seguidores

16 de mar de 2008

Relatório mostra degelo acelerado



Situação nunca foi tão grave; em 2006, redução de geleiras chegou a 1,4 metro, maior patamar já visto

América Latina, Europa ou Ásia. Em todos os cantos do planeta as neves eternas e as geleiras estão desaparecendo, ameaçando aumentar os níveis de pobreza de milhões de pessoas e afetando diretamente o abastecimento de água. Segundo relatório das Nações Unidas publicado hoje, o derretimento da neve nas montanhas está ocorrendo em um ritmo acelerado - e nunca foi tão grave.

Na América do Sul, o desaparecimento de glaciais poderia acabar criando problemas ainda maiores de fornecimento de energia na região nas próximas décadas, já que muitas barragens hidroelétricas foram construídas em rios alimentados diretamente por glaciais.

Dados do Programa da ONU para o Meio Ambiente (Pnuma) indicam que, entre 2004 e 2006, os glaciais em 30 montanhas espalhadas pelo mundo derreteram em um ritmo nunca visto. Entre 2005 e 2006, a perda foi duas vezes superior às taxas verificadas entre 2004 e 2005

Em média, a perda de gelo nas montanhas foi equivalente a uma redução de 1,4 metro de água. Em 2005, a perda havia sido de meio metro. Entre 1980 e 1999, a média de redução anual foi de apenas 0,3 metro. Segundo os dados, portanto, a perda registrada em 2006 foi a maior já vista pelos pesquisadores. Até agora, o recorde foi identificado em 1998, quando as montanhas perderam, em média, 0,7 metro. Segundo Haeberli, a perda total desde 1980 já chega a 10,5 metros.

Na Europa, algumas das geleiras mais famosas estão desaparecendo em um ritmo acelerado. Na Noruega, o glacial de Breidablikkbre perdeu 3,1 metros em um ano. Já na Áustria, o glacial de Grosser Goldbergkees perdeu 1,2 metro em 2006, contra 3 metros de redução de Ossoue, na França.

Nos Himalaias, a situação também é crítica. Alguns dos glaciais nessa região poderiam desaparecer em questão de décadas; 500 milhões de pessoas podem ser afetadas diretamente por isso, alertou a ONU. Rios como Ganges, Indus e Brahmaputra, no norte da Índia, podem diminuir de forma substancial diante das mudanças climáticas.

No Chile, porém, o glacial Echaurren Norte foi ampliado. Ainda assim, a ONU alerta que, até 2030, a probabilidade de uma perda total de todos os glaciais latino-americanos é alta. Isso poderia ocorrer na Bolívia, no Peru, na Colômbia e no Equador.
Postar um comentário