Seguidores

24 de mar de 2008

Funeral de um Rio

Moradores da região da Barra do Jucu, em Vila Velha, e pessoas preocupadas com o meio ambiente, realizaram o “Funeral do Rio Jucu” na manhã deste domingo (23). Um caixão com 8m de comprimento foi colocado sobre uma das pistas da Rodovia do Sol.

O trânsito no sentido Vila Velha-Guarapari foi interrompido por cerca de cinco minutos. O evento simbólico pretende chamar a atenção para a poluição no rio e fatores que colaboram para que ela permaneça.

O grupo de cerca de 250 pessoas iniciou a concentração na Barra por volta das 8h e depois seguiu em direção à Rodovia do Sol, ainda em Vila Velha, próximo aos locais de despejo de esgoto no Rio Jucu.

O “funeral” começou por volta das 10h. Em uma celebração, um pároco lembrou o pecado moderno da poluição ambiental, incluído pela Igreja Católica entre os novos pecados capitais. A banda de congo Tambores de Jacaranema também participou do ato, que terminou por volta das 11h.

O “funeral” lembrou ainda o Dia Mundial da Água, comemorado no dia 22 de março, e a escassez do recurso. Tradicionalmente, seria um dia de Descida do Rio Jucu, mas de acordo com o representante da Associação Barrense de Canoagem, Eduardo Pignaton, o rio já não oferece condições para os canoístas.

“O nível de poluição está insuportável”, afirma. Ainda assim alguns participantes decidiram se aventurar. Eles partiram em caiaques e barcos da Barra do Jucu até próximo ao local de despejo de esgoto no bairro Araçás, trecho também próximo à Rodovia do Sol, onde ocorreu o ato “fúnebre”.

Poluição

Entre os maiores entraves para a preservação do Rio Jucu, de acordo com Pignaton, está o modelo de gestão. Por 16 anos administrado pelo Consórcio Santa Maria Jucu, formado por dez prefeituras, Governo estadual, Cesan e grandes empresas, o rio não está em situação satisfatória. “Eles não fizeram nada e ainda deixaram dívidas”.

O comitê gestor da bacia do Rio Jucu já está em processo de formação. As prefeituras de Vila Velha, Vitória, Domingos Martins, Marechal Floriano e Viana, além de representantes da sociedade civil organizada devem compor o órgão.

Mas, para que ele passe a atuar faltam ainda algumas adequações legais, como explica Pignaton. “O comitê tem tentado trabalhar, mas temos que passar por muitas políticas públicas. O Estado é um dificultador do processo”.

Atualmente o rio é gerido pelo Instituto Estadual de Meio Ambiente (Iema) e pelo Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf).

Descida

A descida do Rio Jucu acontecia desde 1989. Já na tentativa de sensibilizar a população ribeirinha e o poder público para medidas de prevenção e contenção dos problemas ambientais. Com o passar dos anos o movimento da descida envolveu mais pessoas preocupadas em preservar e recuperar o rio.

O evento era realizado por caiaque, barcos a remo, motorizados e até embarcações improvisadas por cerca de 200 pessoas que desciam o rio, além daqueles que percorrem a trilha.

O rio

O Jucu é um rio com médio volume de água, rápido e com corredeiras. Ele nasce na Serra do Castelo, em Pedra Azul. Possui dois formadores principais: o braço Norte e o braço Sul, tendo áreas de drenagem de 920 Km² e 480 Km². Toda a bacia tem uma drenagem de 2,4 Km².

O curso tem uma extensão aproximada de 166 Km até desaguar na praia da Barra do Jucu, em Vila Velha. A bacia do Rio Jucu abrange integralmente os municípios de Domingos Martins, Marechal Florianp, Viana, Vila Velha, Cariacica e Guarapari.

fonte: Gazetaonline
Postar um comentário