Seguidores

12 de jan de 2011

Tratamento de esgoto: vantagens econômicas e para o meio ambiente

A adoção de sistemas compactos de tratamento de esgoto sanitário contribui para a saúde pública, preservação e reúso da água e traz como vantagem o rápido retorno do investimento, que pode ocorrer num prazo de até 12 meses após a implantação

Com a Lei do Saneamento Básico (11.445/2007), sancionada em janeiro desse ano e que estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; com a previsão de investimentos em saneamento de R$ 40 bilhões, até 2010, conforme o Plano de Aceleração do Crescimento (PAC); e pela proximidade do Ano Internacional do Saneamento, data fixada pela Assembléia Geral das Organizações das Nações Unidas (ONU) para 2008, espera-se que o Brasil melhore o quadro atual de déficit de domicílios atendidos com rede de tratamento de esgoto adequado, contribuindo assim para diminuir o despejo "in natura" no solo, rios, córregos e nascentes, que além de degradar o meio ambiente causa prejuízos à saúde pública - seja por disseminar doenças através do contato direto com a água contaminada e seus dejetos ou por proliferar vetores (ratos, baratas, mosquitos, entre outros).

De acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em todo o Brasil, apenas 48,5% dos domicílios dispunham, em 2006, de esgotamento sanitário através de rede coletora e 22,1% utilizavam fossa séptica, indicando inadequação clara ou inexistência do esgotamento sanitário nos restantes dos 29,4% dos domicílios. Por conta deste quadro, ações de saneamento estão entre as prioridades do PAC. A meta do programa é ampliar em 7,3 milhões os domicílios atendidos com rede de tratamento de esgoto.

fonte:SEGS
Postar um comentário