Seguidores

09/05/2014

Suécia aposta em brasileiros para projetos inovadores de sustentabilidade

A Embaixada da Suécia no Brasil, em parceria com o CISB (Centro de Pesquisa e Inovação Sueco-Brasileiro) e com as instituições de ensino USP (Universidade de São Paulo) e UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), está promovendo um concurso nacional, o Quick Challenge, que irá premiar dois vencedores brasileiros com a oportunidade de participar em workshops exclusivos de inovação e sustentabilidade. Os workshops em questão acontecerão nos dias 19 e 21 de maio em São Paulo e Rio de Janeiro, respectivamente. Além da participação no evento fechado para convidados, os ganhadores do concurso também serão premiados com passagens e hospedagem nos locais das palestras. As discussões programadas para acontecerem nos eventos têm como foco o desenvolvimento de projetos inovadores de sustentabilidade urbana relacionados às atividades “Transporte” e “Alimentação”. Desses workshops espera-se que as ideias desenvolvidas sejam inscritas em um desafio global de inovação, o Smart Living Challenge, que tem por objetivo reunir sugestões de melhoria em processos cotidianos nas ações de “Transporte”, “Alimentação” e “Moradia”. O Smart Living Challenge selecionará 15 projetos vencedores para que seus idealizadores viajem para a Suécia e se encontrem com investidores que poderão ajudar na implementação real de suas soluções. Para se inscreverem no concurso nacional para a participação nos workshops exclusivos, os interessados devem acessar o seguinte link até o dia 11 de maio: http://studentcompetitions.com/competitions/smart-living-challenge. O resultado desse concurso será divulgado no dia 15 de maio nas redes sociais da Embaixada da Suécia no Brasil e do CISB, além das páginas das universidades, que são: Facebook Swedish Embassy In Brazil Twitter Sweden In Brazil Linked In Embassy of Sweden In Brazil Facebook CISB Linked In CISB Facebook Incubadora de Empresas COPPE/ UFRJ Na próxima semana serão divulgadas mais informações sobre o concurso internacional Smart Living Challenge, para o qual os workshops serão voltados.

29/04/2014

Como podemos ajudar o planeta

09/04/2014

Jovens empreendedores brasileiros poderão concorrer a prêmio de 500 mil euros do 8º Desafio Verde Internacional da Loteria de Código Postal

As inscrições para o concurso poderão ser feitas online até junho SÃO PAULO, 02 de abril de 2014 – As inscrições para o 8º Desafio Verde Internacional da Loteria de Código Postal (8th International Postcode Lottery Green Challenge) estão abertas para os jovens empreendedores de start-ups que contemplam nos seus planos de negócios a redução de CO2. O desafio está à procura de produtos ou serviços que combinam sustentabilidade, empreendedorismo e criatividade. O vencedor dessa competição internacional será premiado com500.000 euros para desenvolver o seu produto ou serviço e trazê-lo para o mercado. A organização também concederá 200.000 euros a um ou dois vice-campeões. Os participantes podem submeter seus planos de negócios no site www.greenchallenge.info  até 3 de junho. Os jurados apresentarão o vencedor no dia 11 de setembro, em Amsterdã. O Desafio Verde Internacional da Loteria de Código Postal é a maior competição mundial anual para empreendedoressustentáveis que podem instigar a mudança. É uma campanha global desenvolvida pelo Postcode Lottery e suportada porRichard Branson e Bill Clinton para incentivar jovens empreendedores do mundo todo a desenvolver planos de negócios que enderecem os desafios ambientais, na expectativa de mudar para melhor a forma como o mundo faz negócios. Um dos principais objetivos para os jovens empresários é o desenvolvimento de novos produtos, serviços ou inovações que ajudarão a reduzir gases de efeito estufa e o combate às alterações climáticas. Os jovens empreendedores brasileiros também poderão concorrer com seus planos de negócios ao prêmio de 500.000 euros. O Desafio já recebeu inscrições de brasileiros em edições passadas. Para ter a chance de vencer, os produtos ou serviços devem reduzir as emissões de gases de efeito estufa e estarem aptos a entrar no mercado dentro de dois anos. Seleção Para se inscrever, os empresários devem enviar seus planos de negócios detalhados por meio do site: https://contest.greenchallenge.info/postcode/ms_signup?ret=/signupform/postcode&evtid=127896 Em agosto, serão selecionados de cinco a sete finalistas que irão apresentar seus planos perante o júri internacional, público e imprensa, no dia 11 de setembro, em Amsterdã. Defensores O ex-presidente americano, Bill Clinton, revelou seu orgulho em constatar que o Desafio Verde Internacional da Loteria de Código Postal (Postcode Lottery Green Challenge) se estabeleceu rapidamente como um importante concurso internacional verde. “O concurso incentivou os empreendedores sociais de todo o mundo a transformar ideias em invenções fascinantes e extremamente poderosas que reduzem o CO2. Tenho certeza de que esse evento vai continuar estimulando mentes inteligentes a realizar o seu potencial e ajudar a criar um mundo mais verde e mais saudável para todos nós", declarou Clinton. Sir Richard Branson, fundador do grupo Virgin, foi jurado das edições de 2007 e 2013 do Desafio Verde Internacional da Loteria de Código Postal (Postcode Lottery Green Challenge), e compartilha do mesmo ponto de vista. "As pessoas não vão parar de consumir. Em vez disso, devemos oferecer ao consumidor uma alternativa verde para deter as mudanças climáticas. O Desafio Verde tem como intenção estimular o desenvolvimento dessas alternativas", destacou ele. Vencedores de 2013 No ano passado, a empresária americana Ginger Dosier ganhou o prêmio de 500.000 euros pelo seu revolucionário processo de produção de tijolos. Sua empresa, a BioMason, oferece uma alternativa limpa para os processos atuais de queima que geram emissões maciças de CO2 a nível mundial. Os holandeses Wolbert Allaart e Patrick Heuts receberam 100.000 euros, como vice-campeões. Allaart pela sua nova técnica de geração de energia eólica e Heuts pelo seu sistema inovador de propulsão para barcaça. # # # Sobre a Loteria Holandesa de Código Postal A Novamedia, empresa holandesa criada em 1983, é a fundadora da Loteria Holandesa de Código Postal (Dutch PostCode Lottery), lançada em 1989, para arrecadar fundos para instituições de caridade que trabalham para a sustentabilidade ambiental. A empresa objetiva configurar e operar loterias de caridade em todo o mundo, a fim de arrecadar fundos para instituições de caridadee aumentar a consciência sobre o seu trabalho. Nos 25 anos desde que foram lançadas as loterias de caridade da Novamedia, foram doados mais de 6,1 bilhões de euros para mais de 264 instituições de caridade que trabalham para apoiar as pessoas, o meio ambiente, a cooperação para o desenvolvimento, desporto e saúde, cultura e bem-estar. A Loteria Holandesa de Código Postal, por sua vez, arrecadou mais de 4 bilhões de euros para organizações que trabalham em nome do ser humano e do meio ambiente. Dentre elas, a UNICEF, WWF, a Anistia Internacional, os Médicos Sem Fronteiras, entre outros. Na Loteria de Código Postal se concorre com seu próprio código postal. A cada mês vários códigos postais são sorteados e ganham prêmios. Quanto mais bilhetes de loteria se adquirir, maior é o valor do prêmio. O objetivo principal de uma loteria desse tipo é arrecadar fundos para organizações de caridade. Uma parte substancial das vendas é direcionada para essas instituições. Como padrão, dependendo da legislação do país e do tipo de loteria, um mínimo de 20% do arrecadado é direcionado para instituições de caridade. Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=F7bLNlYOiso#t=27

O video que deve ser visto pelo Mundo inteiro

O VIDEO E UMA GRANDE IDEIA MAS O QUE PRECISARIA MUDAR E A LEI QUE RESPONSABILIZA OS RESTAURANTES SE DOAREM A COMIDA E ALGUEM PASSAR MAL!!!!




26/06/2013

Para quem tem duvidas da juventude brasileira!

ANALISE SOBRE OS PROTESTOS

De uma jovem de apenas 18 anos,que reside no R.G.N. na cidade de Natal.


"   No dia 10 de junho, cerca de cinco mil pessoas estavam protestando na Avenida Paulista e foram violentamente reprimidas pela Policia Militar de São Paulo. Os horrores cometidos pela PM circularam pela internet e muitas pessoas se dispuseram a participar do próximo ato, que seria realizado no dia 13 de junho. Estava em pauta a revogação no aumento das tarifas de ônibus, que possuem preços absurdos e excluem diversas pessoas de seu direito de ir e vir, isso na própria cidade onde moram.
   Assim eclodiu a onda de protestos que toma conta de todo o Brasil atualmente. Mas não foi na cidade de São Paulo que tudo começou. No dia 15 de maio, na cidade de Natal, os estudantes já saíam às ruas para reclamar o aumento nas passagens. Assim como na capital paulista, os natalenses sofreram com a forte repreensão da PM e foram chamados de “vândalos” e “baderneiros” pela mídia e grande parte da população. Lembrando que em agosto de 2012 as pessoas já tinham ido às ruas pelo mesmo motivo.
   Porto Alegre e Goiânia também se adiantaram nas manifestações e reclamava do preço abusivo das passagens em março e maio, respectivamente. Mas porque só em São Paulo a coisa tomou proporções tão grandiosas? São Paulo possui cerca de 11 milhões de habitantes e tem visibilidade em todo o mundo, talvez por isso os protestos tenham “explodido” por lá. Mas vale lembrar que nem todos foram organizados pelo MPL (Movimento Passe Livre), embora muitos tentassem se passar por organizações legítimas desse movimento.
   Vivemos então um final de semana extremamente violento em diversos lugares do país. Era o início da Copa das Confederações e muitos manifestantes foram às ruas pelo simples direito de protestar. O que houve em São Paulo mostrou ao resto do país que esse direito estava sendo ameaçado. Principalmente com a “lei da copa”, uma legislação provisória que vale durante os eventos da FIFA, onde em algumas áreas publicas torna-se proibido qualquer tipo de manifestações políticas.
   Curiosamente, depois disso, os mesmos meios de comunicação conservadores que incentivaram as ações violentas da PM e chamaram os manifestantes de vândalos, em seus editoriais, agora diziam que de fato as pessoas deveriam ir às ruas. Só que com outras bandeiras. Isso não seria um problema, se as pessoas não tivessem, de fato, saído à rua com as bandeiras propostas pela mídia. O clima, na segunda-feira 17, era outro. Era como se a manifestação não fosse política e como se não estivesse acontecendo no mesmo planeta em que as manifestações do fim de semana.
   Acontece que dentro da euforia de protestar a causa se perdeu. Os novos manifestantes lutam por causas justas, porém gerais, como o fim da corrupção e melhorias na educação, saúde e segurança. Muitos brasileiros e brasileiras vão as ruas sem saber ao certo o porquê; protestar virou “moda”, falar sobre PEC 37 virou moda, reclamar do governo, vestir a bandeira do Brasil, pintar a cara de verde e amarelo, ser contra a Copa do Mundo de Futebol, tudo isso virou moda. E no meio do modismo protestante surgiu a ideia (absurda) de que tudo é culpa do Presidente da República e alguns quiseram, portanto, o impeachment da Dilma (atual presidente do Brasil). Faltou informação.
Abaixo listo cinco informações importantes para quem quer ver a presidenta fora do comando:
 
1.     Não é o Presidente da República que elege o Presidente do Senado. É o próprio Senado que escolhe o seu presidente. Assim, a Dilma não pode chegar no Senado e colocar o Renan Calheiros para fora, como é o desejo de muitos.
2.     Presidente da República não tem o poder de determinar a prisão de ninguém. Por esse motivo, caso os manifestantes queiram ver os "mensaleiros" na cadeia, terão que pedir isso ao Ministro Joaquim Barbosa, pois é o Poder Judiciário – mais especificamente no caso dos mensaleiros, o STF - quem tem competência para fazê-lo.
3.     Presidente da República não veta Emenda Constitucional. Sendo assim, não é para a Dilma que deve ser pedida a não aprovação da PEC 37, mas, sim, ao Congresso Nacional (Câmara dos Deputados e Senado Federal).
4.     Não é atribuição do Presidente da República instaurar CPI. Quem instaura CPI é o Poder Legislativo (no âmbito federal, a Câmara dos Deputados e/ou o Senado Federal).
5.     Transporte público municipal é de competência dos municípios, não do Presidente da República. Então, a pessoa mais indicada para resolver a causa inicial dos protestos é o prefeito de cada cidade, e não a Dilma.
 
   Após esse pequeno esclarecimento, é válido lembrar que qualquer levante popular em que a pauta não é muito definida cria-se uma situação de instabilidade política que pode virar qualquer coisa. Vimos isso no início do Estado Novo e no golpe de 1964, ambos extremamente fascistas. Não quer dizer que desta vez seja igual, mas a história nos pede no mínimo um pouco mais de atenção e cuidado."
 
Ana Luisa Hernandes Nolla.

19/06/2013

Como sera tratado o lixo gerado nos estadios na Copa

Queremos compartilhar,um conteúdo publicado pelo jornal O Globo, sobre gestão dos lixos nos estadios, fruto de uma entrevista com Victor Bicca - diretor de assuntos governamentais, comunicação e sustentabilidade da Coca-Cola para a Copa do Mundo - um dos maiores conhecedores do assunto no Brasil.