Seguidores

13 de jan de 2008

Greenpeace confronta baleeiros japoneses na Antártica


Navio Esperanza, do grupo ambientalista, está na região para impedir que o Japão caçe cerca de mil baleias em nome de uma pesquisa científica criticada por diversos países.



Antártica, 11 de janeiro de 2008 – Depois de quase dois meses de procura, o navio Esperanza, do Greenpeace, encontrou nesta sexta-feira com a frota baleeira do Japão no Santuário de Baleias da Antártica.
A frota baleeira imediatamente se afastou do Esperanza, que neste momento está em perseguição em alta velocidade. Enquanto os navios japoneses estiverem nessa velocidade, ficam impossibilitados de caçar. Se eles tentarem começar a caça, a tripulação internacional de ativistas do Esperanza vai promover ações diretas não-violentas para prevenir a matança de quase mil baleias, incluindo 50 da espécie fin, ameaçada de extinção.
Num comunicado transmitido por rádio para a frota baleeira, em japonês e inglês, da campanha de Baleias do Greenpeace Japão, Sakyo Noda, afirmou: “Nossa embarcação e tripulação estão aqui no Oceano Antártico para condenar sua caçada, que inclui espécies ameaçadas, e para insistir que deixem a região e retornem ao porto imediatamente. A sua caçada científica é uma farsa e foi considerada inútil pela Comissão Internacional Baleeira (CIB). Pesquisas científicas modernas sobre baleias não requerem que se mate elas.”
Quando a frota baleeira japonesa partiu do porto de Shimonoseki, em novembro passado, o governo do Japão confirmou que o propósito por trás de seu ‘programa científico’ é na verdade um disfarce para retomar a caçada comercial.
“O povo japonês não apoia a caça de baleias, que vem sendo feita em seu nome e com seu dinheiro de impostos”, afirmou Junichi Sato, coordenador da campanha de baleias do Greenpeace Japão.
Uma pesquisa independente feita pelo Nippon Research Centre em junho de 2006 (http://www.greenpeace.org/international/press/reports/whaling-poll-japan) aponta a posição contrária do povo japonês à caça de baleias.
“O programa de caça científica do governo japonês é uma vergonha. Não há lugar para caça de baleia na Antártida. A Antártida deve ser um lugar para a paz e a ciência, e o que a frota baleeira está fazendo aqui não é ciência”, afirma Leandra Gonçalves, coordenadora da campanha de baleias do Greenpeace Brasil e chefe de pesquisa no navio Esperanza.
Leandra está disponível para entrevistas diretamente do navio Esperanza, na Antártica, por telefone via satélite. Requisições devem ser feitas à assessoria de imprensa do Greenpeace Brasil.
Essa é a nona expedição do Greenpeace ao Oceano Antártico para defender as baleias. A última foi realizada em fevereiro de 2007, quando o Esperanza escoltou o Nisshin Maru, navio-fábrica da frota baleeira japonesa, até a saída do Oceano Antártico, após um incêndio que destruiu a embarcação e matou um de seus tripulantes.



fonte:Barrigaverde
Postar um comentário